Dedetizadora na Zona Oeste Porto Alegre

Desentupidora 16 2

Dedetizadora na Zona Oeste Porto Alegre

Notícia do Blog:

Desratização combina técnicas no controle de roedores

Grandes centros urbanos sofrem constantes infestações de roedores, pois oferecem condições de abrigo e oferta de alimento. Os ratos começaram a invadir o ambiente doméstico após o homem adquirir o hábito de armazenar grãos e alimentos dentro de casa, onde os ratos também encontraram abrigo contra seus predadores, e trouxeram riscos à saúde humana através de vírus, fungos e bactérias.

Dentre muitas espécies as principais são ratazanas (Rattus norvegicus), o rato de telhado (Rattus rattus) e os camundongos (Mus musculus). O combate aos ratos é essencial nas casas, nos condomínios e empresas. O processo de desratização deve ser empregado por profissionais especializados e que tem como objetivo localizar os possíveis focos de infestação de ratos, além de remover essa praga urbana do local com segurança.

O processo de desratização é feito através de técnicas integradas. O primeiro passo é identificar qual tipo de espécie invadiu a casa para depois saber de onde estão vindo. Primeiramente, uma equipe vai até o local e faz uma vistoria para identificar a espécie, mapear a área e executar o tratamento físico ou químico mais indicado. As principais técnicas de desratização empregadas em casas, comércios ou indústrias são:

Iscagem Semi parafinadas – consiste na aplicação de raticidas em bloco de alta palatabilidade para os roedores em pontos estratégicos e localizados. Produto de dose única que elimina o roedor por hemorragia interna ressecando-o sem deixar cheiro, essas iscas são atrativas e contem cereais, o que garante que ele encontre as iscas de forma mais rápida. Indicado para áreas externas devido a sua resistência as condições climáticas adversas;

Pó de contato – É um produto químico colocado nas vias de acesso por onde os ratos passam dia e noite. O objetivo é contaminar o pelo do roedor, fazendo-o transmitir o veneno para toda a colônia.

Porta iscas – as iscas devem ser identificadas, mapeadas e acondicionadas em pontos de envenenamento permanente denominado CAIXA PEP. Os portas-iscas são seguros e autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA;

Captura – em ambientes internos com presença de roedores o tratamento é complementado com a instalação de placas adesivas de captura. Não oferecem nenhum risco toxicológico as pessoas que trabalham ou permaneçam no ambiente. Seu mecanismo de atração é obtido através de uma essência que está contida na própria cola.

Além do controle químico, as medidas de manutenção do ambiente também são importantes no processo de desratização. É preciso ter muito cuidado com a limpeza e o manejo do lixo orgânico. Não acumular lixo na cozinha é um dos principais modos de prevenção – além de não deixar restos de comida na pia da cozinha ou no fogão. Se tiver animais domésticos, evite deixar a ração na tigela durante a noite.

Ratos consomem o equivalente a 10% de seu peso/dia, contaminando cinco vezes mais do que consome (pelos, fezes, urina). Eles são responsáveis por 25% dos incêndios com causas desconhecidas, além de inúmeros curtos-circuitos. Produz cerca de 25 mil cíbalas (fezes) num só ano. Lembre-se: uma vez instalados num determinado local, os ratos começam a se reproduzir, multiplicando-se muito rápido, o que dificulta o seu controle e aumenta o risco de transmitir doenças.


DesentupidoraDedetizadora